Todos os Direitos Reservados © Fata Morgana SPA

23 de janeiro de 2009


Foto de Kudra

Todas as noites a canção de embalar é desafinada e o sonho doido.
Todas os dias o dia é grande demais... longe demais... e eu muito pequena para tanta distância, tanto andar. Mas não refilo e faço-me maior, faço-me lesta, e faço-o.

Os passos cumprem-se e a vida corre e o buraco cava-se.

Eu não sei quem segura os fios, não sei quem fez as personagens.
Não imagino, sequer, porque será que digo sempre o que sinto (mesmo que até a mim soe estranho); porque será que me sinto tão diferente, aqui no meio... Reconheço alguns afins, mas noutras plataformas, quase sempre. Nunca posso fazer número... quase nunca.

Ora! Sou forte. Sou eu! Não é por mim que tenho de dar contas? Nesse caso... tenho tudo!


© Fata Morgana

16 comentários:

biazinha disse...

O espelho só reflete o aparente, a ilusão do eu. É no ato de ousar o que não alcança que a resposta se dá, ainda que em língua aparentemente estranha.

Beijos.

PS: Eu já estava com saudades de ti, desse blogue e desse textos que são verdadeiras radiografias da tua alma.
Bat disse que está amoada de vir aqui porque tu não a visitas faz mais de um mês. Como eu faço parte do Movimento dos Sem Blogue não tenho desses problemas...LOL!

HornedWolf disse...

O que vou dizer pode não parecer adequar-se ao texto, mas foi a reflexão que o mesmo me inspirou sobre mim próprio, sobre como processo o tempo, a experiência, e a inocência.

Á medida que o tempo passa e com ele os mil e um acontecimentos, o mundo fica cada vez mais pequeno e nós ficamos cada vez maiores, até que um dia perdemos o chão.

Daniel Aladiah disse...

Querida Fata
Muito importante: "Sou forte..."
A consciência de que somos muito mais fortes, do que pensamos e alguma vez sentimos, é reconfortante, até porque é verdade, na maioria dos casos.
Imaginei enquanto pensas e falas com os teus botões, e eles caindo um a um...
Um beijo
Daniel

Alisson da Hora disse...

"Todas os dias o dia é grande demais... longe demais... e eu muito pequena para tanta distância, tanto andar. "

a gente sempre está longe demais de algo...

lindas palavras...

beijo

Gotik Raal disse...

Morgana,

Acredito mais na reflexão pessoal quando é feita assim, com a simplicidade das coisas certas, sem o artifício das coisas mascaradas.

E tens esta universalidade, de fazer com que todos se revejam nas tuas palavras...

Um beijo,
Gotik

Frankie disse...

Minha querida,

...o texto é uma reflexão poderosa e tocante.
Confesso que, ao ler-te, senti que podia ter sido a minha mão a escrever essas plavras, tivesse eu o teu engenho. No fundo acho que o otik tem toda a razão: "tens esta universalidade, de fazer com que todos se revejam nas tuas palavras...".

Um beijo imenso e cheio de saudades.



PS: Aquele primeiro parágrafo tocou-me particularmente; acho que to vou "roubar" para a minha agenda. Posso?! :$

Frankie disse...

*Gotik

mariazinha disse...

Eh pá, esta foi mesmo até ao fundo.

Gosto tanto de te ler!

Beijo grande, Morgana*

Escabroso disse...

Ora, sentes-te diferente porque cortaste esses fios que seguram quem se deixa segurar. E, apesar de tudo, é mais difícil seguir assim. Mas mais puro.

Eu acho.

*

Ruela disse...

sem muletas...


bjs.

aquilária disse...

eu teria (tenho) muito a dizer-te, e não só sobre o tema deste post.tem a ver com a nossa troca de palavras, aqui, essas coisas que não são coincidências ... e o teu comentário ao meu post relacionado com a isadora duncan, pois pensei em ti quando o preparei, embora, neste caso, não considere isso estranho, tendo em conta as tuas afinidades , que também são minhas, com glenn gould e artaud...
pois, sobre isso há muito a dizer (será que há, ou que está tudo dito, sem necessidade de mais palavras?). tencionava deixar aqui qualquer coisa de mim, no fim de semana, que não fosse apenas o registo da minha passagem pelas terras de gore. mas, entretanto, houve uma carta que eu andava para escrever, há meses. escrevi-a, no passado sábado, e pus tanto de mim nessas palavras que fiquei exausta, mental e fisicamente exausta. precisei de tempo e umas boas horas de sono para recuperar... e tudo o que eu tencionava fazer, no fim de semana, ficou sem efeito.

essa diferença, essa estranheza, essa quase impossibilidade de "fazer número" remete, sem dúvida, para uma solidão e uma autenticidade na qual temos uma percepção mais aguda da nossa força - e, também, da nossa enorme fragilidade.

beijo, morgana.

paradoXos disse...

nem pára-quedas... abraçar com abraços o voo sem medo das exigências que nos tornam minúsculos perante as forças que nos irão varrer...


e fazes bem - tens TUDO!!


beijinho
Heduardo

PoesiaMGD disse...

Escreves com qualidade!
Abraço

0.04 disse...

quem segura os fios, é mesmo esse o sentimento.
quem comanda a nossa força
e a corta subitamente como se fosse necessário que assim fosse subitamente por uma qualquer razão que não entendemos?

ladydarkness disse...

olá gotika katrina, n sabia que este espaço também era teu.

BloodyKisses***

Morgana La Folle disse...

Ladydarkness,

este espaço não é da Katrina, estás enganada. Nas Terras de Gore reina a Fata Morgana, tal como no Claro Obscuro ;)
Gosto muito da Katrina, mas não sou ela, e já cá ando há muitos anos (desde 2003).